Aplicações cotidianas do parapsiquismo

Parapsiquismo é a percepção que vai além dos cinco sentidos físicos, permitindo a observação do intercâmbio do indivíduo com as múltiplas dimensões. É a faculdade de captar, sentir e interagir com as bioenergias, com consciências que estão momentaneamente sem o corpo físico (também denominadas almas ou espíritos)  e com diferentes dimensões. Também podemos definir parapsiquismo como a tendência evolutiva da consciência extrapolar as limitações físicas para alcançar maior entendimento perante a realidade multidimensional através do uso consciente das potencialidades de todas as suas manifestações.

Assim como qualquer outra capacidade do indivíduo, o parapsiquismo é neutro, ou seja, não pesa por sí só positiva ou negativamente. A diferença se dará no uso dessa capacidade e no papel que ela pode assumir diante da predisposição do parapsíquico em colocá-la a seu favor e a serviço dos demais. O parapsiquismo será útil quando controlado pela pessoa e desenvolvido a partir de objetivos específicos.

Ao desenvolver as percepções que vão além dos cinco sentidos ou as parapercepções, o indivíduo se dá conta sobre quem ele realmente é, ou seja, uma consciência atuando em múltiplas dimensões, que ocupa momentaneamente um corpo físico e adota determinada identidade.

Entre os fenômenos parapsíquicos que podemos vivenciar no cotidiano estão: a telepatia, ou comunicação via pensamento; a clarividência e clariaudiência ou a capacidade de ver e ouvir manifestações que vem de outros planos que não o físico; a psicometria ou verificação da qualidade energética de objetos e o dejaísmo, ou a experiência de vivenciar momentos que parecem ser repetição de situações já vividas.

Através de vivências como a projeção consciente, o parapsiquismo leva ao entendimento de que há outras realidades além da física e permite a lucidez sobre as energias dos ambientes e seus efeitos sobre a consciência. Uma pessoa parapsíquica também tem o entendimento sobre como as consciências que momentaneamente não tem corpo interagem com aquelas que tem  e sobre os ambientes.

Entre os usos do parapsiquismo em situações cotidianas podemos apresentar a limpeza de ambientes por meio da exteriorização de energias, a percepção sobre o quanto há de verdade no que as pessoas dizem, o trabalho antecipado junto com o amparador preparando para uma conversa difícil e a aferição da energia de um objeto para saber sua influência no ambiente.

Mais comum do que pessoas sem percepção parapsíquica é o menosprezo das ocorrências que leva ao erro de achar que não as tem. Assim como as outras inteligências humanas, a capacidade de utilizar os sentidos parapsíquicos é desenvolvida pelo indivíduo ao longo do ciclo de suas vidas. O fato de uma pessoa não apresentar essas capacidades pode estar relacionado a questões como imaturidades ou o infantilismo acentuado; o materialismo excessivo com foco direcionado para o mundo físico ou mesmo a dependência química.

Outros fatores inibidores da manifestação parapsíquica são a pressão do meio familiar e social e os dogmas ou imposições religiosas. Mas um dos fatores que mais inibe o desenvolvimento parapsíquico é a questão emocional: os medos e temores de um modo geral e o emocionalismo.

A experimentologia proposta pelas ciências Projeciologia e Conscienciologia mostra que o desenvolvimento fundamenta-se em dois fatores: disciplina e postura assistencial. Vontade e disciplina são o caminho inevitável para quem quer desenvolver habilidades parapsíquicas. Entre as técnicas recomendadas estão aquelas em que há movimentação de energias, um trabalho que envolve os chacras ou vórtices energéticos.

Os benefícios do parapsiquismo se apresentam em todos os momentos do cotidiano, mas em especial na tomada de decisão, quando a utilização da intuição, telepatia, clarividência e outras habilidades expandem a lucidez ou a clareza de ideias, a acuidade para o que é relevante considerar. Quem tem parapsiquismo desenvolvido aproxima o contato com os amparadores ou as consciências assistenciais que acompanham cada indivíduo.

Por experimentação, sabe-se que o caminho evolutivo da consciência passa pelo desenvolvimento parapsíquico, a utilização adequada promove o seu fortalecimento e a autenticidade o aperfeiçoa.

 

Rosane Amadori é jornalista e professora do Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia (IIPC), instituição de educação e pesquisa científica, laica, sem fins lucrativos.